CONTRIBUA COM A NOSSA MISSÃO:

CONTRIBUA COM A NOSSA MISSÃO:

Conta Corrente: n° 11.817-6 - Agência: 1369-2 (Banco do Brasil).
Seja um doador da "Casa da Sopa":
Doe Cadeiras plásticas, alimentos não perecíveis, pães, detergente, sabonetes, toalhas de banho e de rosto, roupas usadas, material de enfermaria (soro fisiológico, gases, algodão, luvas, alcool, etc), outros utensílios de cosinha e higiene(escova de dente, creme dental, estojo de barbear).
Faça também sua contribuição em dinheiro através de depósito bancário em nossa conta corrente no Banco do Brasil.

domingo, 26 de janeiro de 2014

Expiação e Revolta

            A semeadura do Consolador há tempos que lança as suas sementes sobre a terra, mas ainda não se deu o tempo de toda a colheita, por isso mesmo vê-se o joio ainda misturado à boa erva, mas com o tempo limitado para que possa regenerar-se ainda nesse solo, transubstanciar-se, morrendo, para renascer, ressurgindo em bom grão, para nova semeadura, novas plantações, nova colheita...
           Dentre os que são alcançados pelos sofrimentos do mundo há os que em provas, aproveitam para trabalhar a natureza do seu coração e renovam-se, tornando melhor a sua maneira de agir. Outros há, porém, que ao lado daqueles, a expiação se apresenta em forma de remédio amargo, causando por vezes a revolta, rebeldia que é consequência das matrizes emocionais que precisam ser transformadas.
 Na visão da psicologia espírita, quando o ser está em provação, via de regra encara as dificuldades da vida com maior tolerância e resiliência, fruto do amadurecimento psíquico antecipado para a experiência probatória que irá lhe proporcionar a aquisição de novas conquistas éticas e espirituais. Do contrário a experiência expiatória pode ser evidenciada através das expressões de rebeldia, de ingratidão e não raro de blasfêmias proferidas contra Deus, ou seus próprios benfeitores de jornada. É a consequência de um ser frágil, que não forjou o seu caráter o suficiente para a experiência dolorosa que o atingiu, e que dada às leis sábias e soberanas do amor e da justiça, é submetido, para seu próprio bem a essa experiência, por ser a consequência do seu comportamento, efeito dos seus equívocos perante si mesmo, perante Deus e seu próximo.
             
          Quando encontrares esses espíritos em teu caminho, estejam no corpo ou fora dele, aguça a tua percepção psíquica e coloca-te com cautela na condição de um aprendiz, para melhor ajuda-los. É bem possível, que alguns, por serem por demais orgulhosos, troquem a ação do verbo pedir, pela atitude equivocada do verbo agredir, desejando com isso obter o benefício a qualquer custo, sem submeter o seu orgulho à disposição daquele a quem pede, revelando com isso que a terapia das dificuldades que enfrenta é destinada a tratar o ego por demais inflamado, convencido em demais de um valor próprio em detrimento do valor alheio. Entretanto, se podes, conforme as diretrizes da tua função oferta-lhe a oportunidade dos recursos que lhes garanta o equilíbrio social de que se encontram necessitados, que essa atitude, certamente em algum momento lhes servirá de estímulo ao reconhecimento do valor de um auxílio, quando pode ter negligenciado, nessa ou em outras experiências de vida, a oportunidade de servir a alguém, quando tinha poderes para isso.
No entanto, quando se apresente o momento mais propício, aponta-lhe aquele caminho da humildade, que reconhecendo Deus todo poder, ergue-se em seu agradecimento para tudo o que a vida poder lhe presentear.
Diante daqueles, que na rua ou em casa, no trabalho ou em qualquer lugar, demostre revolta diante dos sofrimentos, silencia até o momento mais adequado, aquele em que o ser se torne mais receptivo, como o solo em que há um momento mais propício para que nele se deposite a semente, e somente nesse momento, fala se é o momento das palavras, mas, sobretudo demonstra como bem proceder em todas as situações de aflição. Porque tu, embora em provas, ou mesmo em situação expiações, já recebeu como guia seguro os roteiros de vida do Consolador, e nessa hora decisiva, está sendo chamado para trabalhar em sua seara, para alertar o joio da necessária mudança, ante a proximidade do tempo da colheita e minimizar os conflitos no mundo, que podem mutilar a boa erva, que produz o bom grão.
 Irmã Clara
 Mensagem Psicografada no Grupo Espírita Casa da Sopa, em 17 de janeiro de 2014

sábado, 4 de janeiro de 2014

Sopa Fraterna dia 03.01.2014


O ano começou e a missão da Casa da Sopa de manter o vínculo com nossos irmãos em situação de rua permanece e neste dia 03.01.2014 realizamos a distribuição de sopa, levando junto ao alimento nosso carinho e atenção associados ao sentimento de amor fraternal. Veja as fotos deste dia de trabalho da nossa equipe de voluntários: